Coraline

>> sexta-feira, 5 de julho de 2013


A primeira vez que vi Coraline foi o livro, na Siciliano do Shopping Iguatemi em Fortaleza (hoje Saraiva Mega Store... e me sinto repetindo algo em looping...) e foi a primeira vez que soube que Neil Gaiman, o muso de Sandman, escrevia livros infanto juvenis. Tudo bem, que não são lá aqueles livrinhos chatos e, em sua maioria, idiotas, que se dirigem ao público infanto-juvenil, o que já é muito bom, né? Mas eis que em Coraline, Neil Gaiman vai além do ir muito bem.

A estória de Coraline é, a priori, uma história de terror para criança, um conto de fadas com todos os elementos, os amiguinhos coadjuvantes, os animalzinhos encantados e a criatura má ou a bruxa de provocar calafrios. Entre a curiosidade e mau humor de Coraline e toda a sua curiosidade e aventuras em descobrir um mundo novo e desejado, existe nas entrelinhas da trama uma mensagem, como sempre existe em todos os contos de fadas: cuidado com o que deseja. 







video

Videozinho que postei no IG uns das atrás, que causou muitos ataques de fofurice coisa e tal. A ideia de esboçar a Coraline do filme foi minha, e de fazer o filminho foi da minha Kelly. E a musiquinha? Amo a trilha de Coraline, não sei explicar, mas me remete a casa antiga, cercada de flores, de gatos. mas não precisa da Bella Dona, né? Pois é.

Leiam o livro, assistam o filme ;).

Bisous.

Postar um comentário

Salut!

As amigos que sempre vêm por aqui, é muito bom contar com a participação de vocês.

Aos que escrevem pela primeira vez, sejam bem-vindos.

Aos que preferem postar anônimo, saibam que serão liberados se:

usarem o espaço de forma sensata, porque a gente não chega na casa dos outros com libertinagem, esculhambação e nem jogando lixo.

"O Centro por toda a parte, o epicentro por parte alguma." Pascal.

Au revoir.

Related Posts with Thumbnails
Creative Commons License
Reverbera, querida! por Eliza Leopoldo está licenciada sob Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.